10 Dicas para Comprarem a Casa dos Vossos Sonhos


Ohh comprar casa, essa dor de cabeça tão grande que é lidar com bancos, poupanças, vendedores e expectativas! Mas, antes de nos debruçarmos mais sobre este assunto, deixo-vos um bocadinho da história que nos trouxe até aqui.

Estava ainda no Japão quando soube que íamos ter de sair da casa alugada onde vivíamos, a nossa primeira casa, e a única que ele tinha conhecido desde que veio para Lisboa. No meio da preparação de um casamento, e de uma lua-de-mel, procurar casa não estava, de todo, nos nossos planos. Mas o que tem de ser tem muita força e lá metemos mãos à obra.

Em primeiro lugar tínhamos de decidir se queríamos alugar uma nova casa, e correr o risco de surgirem outros filhos não planeados (que foi o que aconteceu no nosso caso) e, por isso, termos de sair mais uma vez, ou se arriscávamos e tentávamos comprar casa. Optámos pela segunda opção, perfeitamente conscientes de todo o trabalho que íamos ter com isso, e que, no final, podia resultar em nada.

Foi todo um processo, mas encontrámos a casa que nos enchia completamente as medidas e, depois de muitos passos que não conseguimos controlar, mas que nos correram sempre de feição, lá fizemos a escritura e tornámo-nos proprietários. 

Mas, aquilo de que vos quero falar hoje é de como funciona isto de comprar uma casa, aquilo que devem ter em atenção, quais os passos que não podem evitar e como decidir qual é A casa. Aquela que escolhem para passarem uns quantos (muitos!) anos da vossa vida. É que, parecendo que não, se não têm pais ricos nem vos saiu o Euromilhões, é uma decisão importante, e que terá muitas implicações futuras que, muitas das vezes, ainda nem vos passaram pela cabeça como, por exemplo, a escola pública para onde irá o vosso filho um dia (se não quiserem colocá-lo numa escola privada) estará directamente relacionada com a morada fiscal do encarregado de educação. Sabiam?

Bom, estas coisas à parte, continuamos, agora, para as dicas? Então vamos a isso!

1. Definam o vosso orçamento. Tinha jurado a mim mesma que não ia começar por aqui, mas entretanto passou-me pela cabeça que, quem ainda só agora começou o processo de pensar em comprar casa pode nem ter noção de algumas coisas tão simples como os bancos, hoje em dia, apenas emprestarem 80% do capital necessário para a aquisição do imóvel. Sendo assim, numa casa que custe 100 mil euros, o banco apenas empresta 80 mil euros. Isto significa que, à partida, o comprador tem de ter 20 mil euros no banco para poder pagar os restantes 20%. São raras as excepções, mas existem. Por exemplo, se estão a comprar uma casa que pertence ao banco, normalmente o banco facilita e o empréstimo pode ir até aos 100% de financiamento, ou se, por acaso, os vossos pais até vos podem emprestar parte do dinheiro para comprarem casa, também não precisam de estar apenas focados nisto. Estas dicas são apenas para quem, como nós, estava dependente exclusivamente dos bancos para o crédito habitação.

No final de todas estas contas, não se esqueçam de simular o valor do imposto de selo e do IMT que vão ter de pagar no acto da escritura e que pode ser bastante elevado. Só depois destas contas todas feitas é que podem ter noção do real valor que vão poder gastar na aquisição da vossa casa.

2. Escolham as zonas que mais vos agradam. Ok, então já decidiram que podem procurar casas até 100 mil euros (só para ser um número redondo), por isso, agora o próximo passo será decidir quais são as vossas zonas favoritas para morarem. Só com base nisto é que vão poder começar a vossa procura. Aqui é ainda importante referir que, se tiverem em mente vender a casa no futuro, quanto melhor a zona onde comprarem a casa melhor, porque terá mais tendência para valorizar e vos render um melhor negócio mais tarde.

3. Decidam exactamente as características que pretendem para a casa. Tem de ter três quartos, ou pode ter apenas dois, desde que sejam relativamente grandes? Querem duas casas-de-banho, ou ter só uma não é nada que vos apoquente? Querem terraço? E varandas são essenciais para vocês? Precisam de garagem? Querem um prédio com elevador ou não é condição obrigatória para ficarem, ou não, com a casa? Estas são as primeiras perguntas para as quais têm de encontrar resposta. Façam uma lista com as coisas das quais não querem mesmo abdicar e pesquisem a partir daí.

4. Novo, renovado ou para renovar? Comprar uma casa nova, acabadinha de construir, pode ser uma opção impossível para alguns, então porque não pensar em casas renovadas ou para renovar? Viram uma casa com imenso potencial que com algumas obras se tornava na casa dos vossos sonhos? Então falem com um empreiteiro de confiança que vos faça um orçamento para as obras e, com base no vosso orçamento, vejam a viabilidade desta opção.

5. Façam pesquisas exaustivas nas imobiliárias. Tanto nos sites, como nas lojas. É realmente importante que, decidido o orçamento e as zonas preferidas para morar, se dediquem a pesquisar casas para venda em vários sites. Mas, não se esqueçam que também há muitas ofertas nas lojas e que, às vezes, falar pessoalmente com um agente imobiliário pode facilitar imenso o encontrar de casas que se adequem ao vosso gosto e cumpram todos os vossos requisitos.

6. Visitem muitas (mas mesmo muitas) casas. Vão ver imensas casas em sites. Umas com potencial, outras que parecem óptimas, e outras que parecem um sonho tornado realidade. Mas o que vai acontecer é isto: vão visitar as casas todas - desconfio que mais de 10! - e, no fim, a maioria delas são uma desilusão... É triste, mas é a mais pura das verdades. Visitámos n casas que prometiam muito para no fim vermos as nossas expectativas completamente defraudadas.

7. Gostaram de algumas casas, então como escolher A casa? Vão para casa pensar sobre o assunto. Não é preciso ser tudo a correr e aquilo que é mais importante é que a vossa nova casa seja tudo aquilo de que precisam, certo? Pensem em todas as particularidades da vossas vida e pensem onde é que elas podem encaixar na casa nova. Por exemplo, visitámos uma casa que não tinha varandas e cuja cozinha estava organizada em forma de U, com armários em todas as paredes. Adorei a cozinha, mas depois comecei a pensar onde é que ia colocar a caixa de areia do meu gato. Se há quem não se importe de a ter na casa de banho, para mim isso não era opção, até porque as casas de banho não eram assim tão grandes que suportassem a caixa. Claro que este não era o único 'defeito' que a casa tinha, mas percebem o que quero dizer quando digo que a casa que escolherem tem de se adaptar a vocês?

8. Está na hora da avaliação! Quando decidirem qual a casa que gostavam que fosse a vossa futura casa, está na altura de se dirigirem ao banco que escolheram para fazer o crédito habitação para lhes pedirem que façam a avaliação da casa que pretendem comprar. Atenção que é sobre este valor que o banco depois concede o crédito. Ou seja, no caso da casa custar 100 mil euros, se a avaliação for abaixo do valor de venda, por exemplo 90 mil euros, o banco só vos vai emprestar 80% dos 90 mil euros. Isto significa algo como 72 mil euros, o que implica que vocês tenham, em vossa posse, 28 mil euros para pagar ao banco. Ou seja, este, no fundo, funciona como passo limitante e, apesar de ter um custo, é melhor realizarem-no mais cedo que tarde, para terem a certeza de qual é a viabilidade do vosso negócio.

9. Contrato promessa compra e venda. Este momento é assustador, porque verem tanto dinheiro sair do vosso bolso custa um bocadinho. Não, para sermos realistas, custa muito! E, sendo assim, o melhor conselho que vos posso dar é: trabalhem com pessoas de confiança, consultem um advogado, e, se houver certas especificidades em relação à compra da casa como, por exemplo, estar dependente do valor da avaliação do banco, tenham a certeza que o contrato redigido salvaguarda todos os vossos interesses, sim?

10. Correu tudo bem! Vamos fazer a escritura! Bom, se chegaram até aqui ainda com a vossa sanidade mental intacta, então é porque estão quase na hora da escritura! Nesta fase o que importa é juntar toda a documentação necessária para o banco, pedir ao actual proprietário toda a documentação necessária do lado dele, e avançar com o processo de escritura. Não se sintam chatos aqui! É possível que tenham de se mexer mais do que os outros - afinal o interesse maior está do vosso lado - por isso, liguem muito, pressionem muito e façam tudo o que estiver ao vosso alcance para acelerar o processo.

E pronto, chegado o dia da escritura, e de mais uns quantos pagamentos (esta parte é realmente dolorosa), têm - finalmente! - as chaves da vossa casa na mão. Agora chega a parte chata das mudanças (se for caso disso) e/ou a parte gira da decoração. Mas no fim, não há nada melhor que sentarmo-nos a relaxar na nossa nova casa e sentirmos que tomámos a melhor decisão e estarmos felizes por começar um novo capítulo da nossa vida!

E agora contem-me lá: alguém desse lado passou por este processo recentemente? Têm mais algumas digas que queiram acrescentar a estas? Se sim, não se inibam e contem-me tudo nos comentários :)

Posts relacionados

6 comentários

  1. Wow. Nem quero pensar em comprar casa. Acho que estou demasiado traumatizada com a confusão que é o arrendamento em Londres. :p

    ResponderEliminar
  2. Nós já nos passou pela cabeça comprar casa, mas realmente é algo assustador, um dia terá que ser, até lá vamo-nos preparando psicologicamente ahaha!

    Agora queremos é ver o teu novo lar :) espero que sejas muito feliz por lá :) *

    ResponderEliminar
  3. Sempre fui um bocadinho contra o comprar casa, mas depois os anos vão passando, começas a fazer conta ao dinheiro que já gastaste numa casa arrendada com a desculpa do "ah se quiser sair saio sem problemas" e dás por ti a perceber que vives nessa casa há 6 anos e que só o recheio é teu e a hipótese comprar casa começa a ficar mais realista. Acredito mesmo que nos próximos anos seja eu a dar esse passo e este teu post foi mais do que útil :)

    beijinhos
    Vânia | Lolly Taste

    ResponderEliminar
  4. Muitos parabéns pela meta atingida, Catarina! Só posso mesmo imaginar o quão trabalhoso e time-consuming, mas também gratificante deve ser todo o processo até ter-se a chave na mão.
    Este é um assunto sobre o qual ainda só me debrucei superficialmente e em que me vi como, ora incapaz de comprar casa, pelo quão definitivo isso soa e como pode afectar questões de mobilidade, entre outras, ora como algo mais proveitoso a longo prazo, pelo facto de ser um investimento que constitui património, ao contrário de pagar todos os meses a renda de uma casa alugada. Ainda não me decidi. Foi bem interessante e informativo este teu post! De facto não tinha noção de algumas coisas que mencionas, como essas restrições de valores de empréstimos por parte dos bancos!

    Beijinhos,
    --
    Sofia | Monochromatic Wave

    ResponderEliminar
  5. Estou extremamente assustada neste momento.
    Ando com o meu moço à procura de casa, os planos estão para comprarmos algo dentro de 1 ano ou 2, mas já queremos pesquisar, ver se há algum bom negócio em vista e por acaso já vimos algumas interessantes. Para nossa tristeza falaram-nos disso do banco só emprestar 80% do valor e poder avaliar abaixo do preço do vendedor... fiquei super triste. Não sou rica, os nossos pais muitos menos, mas juntar 20mil euros em 2 anos é praticamente impossível. Não tinha a noção de ser uma dor de cabeça tão grande, até começar... e parece que vai ser ainda pior a partir daqui :/
    Muito obrigada pelas dicas, vou guardar o post para o reler algumas vezes no futuro :P
    let's do nothing today

    ResponderEliminar
  6. Não penso em comprar casa, gosto muito da minha casa arrendada. Infelizmente, bem sei que as rendas não estão baratas e, na realidade, até pode ficar mais económico o valor que tem de se dar ao banco todos os meses. Mas para quem pensa comprar, as tuas dicas são muito boas!

    Deixo só aqui uma pequena reflexão. Há um pormenor que muita gente se esquece, em relação ao elevador. Sim, a casa é no terceiro andar e temos energia para subir aquilo tudo, até é uma desculpa para se fazer exercício. O problema: caí e parti o pé. Ou algo menos dramático, vá: tenho um bebé e preciso de levar bebé, carrinho e malas pelas escadas acima. E ainda as compras. E assumindo que fico naquela casa até ser velhinha... A energia também já não será a mesma nessa altura, não é? :-)

    ResponderEliminar