Road-trip na Islândia: das praias aos glaciares


De cada vez que partilho um post sobre a Islândia com vocês, dá-me um apertozinho no coração. Porque me dá aquela vontade gigante de regressar, apesar do frio que faz por lá por esta altura em contraste com o calor aconchegante que temos sentido por cá. Esta viagem à Islândia desafiou-me bastante. Primeiro porque não lido muito bem com o frio (nem estou habituada ao frio gélido de lá), segundo porque nunca tinha feito uma viagem em que a componente natureza fosse, basicamente, a única disponível para apreciar - e esta natureza meteu-me, muitas vezes, medo -, e terceiro porque foi a primeira em que fotografei exclusivamente em modo manual, que foi um big big deal para mim!


O segundo dia da nossa aventura a bordo da auto-caravana começou na praia Reynisfjara, uma praia de areia preta, ao pé da qual tínhamos pernoitado na noite anterior. A água era tão fria que sentia os dedos enregelar de cada vez que os metia lá dentro. E foi um desafio tirar esta fotografia porque as ondas ora eram curtas demais e não chegavam sequer aos nossos pés, ora eram compridas demais e tínhamos de fugir da beira da água para não ficarmos com a roupa e os pés ensopados.


A cor da areia da praia vem das falésias de basalto que, por causa da erosão criaram um efeito de paralelepípedos empilhados uns em cima dos outros, a parecerem colunas atiradas aos molhos para o meio da areia. Mas o resultado final é tão bonito, não é?


De Reynisfjara seguimos para Fjaðrárgljúfur, mas antes ainda passámos pela vila de Vík, à beira-mar, de onde se conseguia esta vista soberba, lá do alto, ao pé da igreja. Confesso que me faz sempre um bocadinho de pena que nestes países rodeados por água por todos os lados não haja um tempo condizente que permita dias de praia, de pouca roupa no corpo, e a felicidade de um gelado comido quando o sol aperta. Não sentem o mesmo? Se calhar sou só eu a divagar, ahahaha!




Quando chegámos a Fjaðrárgljúfur fiquei, literalmente, sem palavras. E olhem que não é fácil! Mas este sítio era demasiado bonito. Talvez nas fotos não consigam ver exactamente como era, mas aqui a água esculpiu a rocha e formou um ziguezague perfeito! E, porque dizem que a água da Islândia é a melhor do Mundo, tive de tirar as luvas, pôr as mãos em conchinha, e tirar as teimas sobre isso! Vá, não sei se é a melhor do Mundo, mas é realmente muito boa! E refrescante, embora eles não precisem muito dessa parte...




Depois de uma boa hora a apreciar o canyon em Fjaðrárgljúfur, seguimos caminho até ao famoso 'lago gelado'. Mas antes, houve algo de demasiado misterioso nesta paisagem que não permitiu que seguíssemos caminho sem a investigar.

Percebemos mais tarde que é sempre assim ao pé de um glaciar: o céu torna-se mais escuro, e cria-se uma aura de nevoeiro em cima deles, que lhe dá um ar místico e completamente mágico.



Quanto mais nos aproximávamos de Hvannadalshnúkur mais nos apercebíamos que esta massa de gelo era assustadoramente grande. Devia ter, à vontade, uns 15-20 metros de altura, o que é uma quantidade gigante de água congelada!

Percorremos um caminho tumultuoso para lá chegar, com direito à loiça toda a tilintar dentro dos armários, mas valeu completamente a pena, não acham?




Finalmente chegávamos ao nosso último destino do dia, Jökulsárlón, o 'lago gelado'. É que isto parece pouca coisa, mas é tudo tão longe umas coisas das outras, que acabávamos por ver relativamente pouca coisa por cada dia. Só que é tudo tão bonito e diferente do que estamos habituados a ver que a antecipação do que vai aparecer a seguir é enorme e muito motivadora, especialmente para ajudar a fazer mais aqueles quilómetros necessários para chegar ao destino.

Jökulsárlón é maravilhoso! Eu estava com aquele ar de boi a olhar para um palácio porque nunca tinha visto tanto gelo junto na minha vida. E a paisagem que cria é realmente bonita, e marcante! Mas, mais que isso, soltei gritinhos de histeria quando percebi que o lago tinha uns habitantes muito especiais...


...focas! Eram às dúzias a nadar, felizes e contentes, nas zonas em que o gelo abria espaço para darem umas braçadas. É nestas alturas que percebo porque é que sou bióloga com um fraquinho pela geologia, ahahaha! Tudo nesta viagem me encheu de felicidade, por me permitir ver fenómenos que nunca tinha visto, e por me permitir ver animais, que antes só tinha visto no Zoo ou em aquários, no seu habitat natural! E há lá coisa mais maravilhosa que essa!


E o nosso segundo dia de viagem chegou ao fim, e deixou-nos de coração cheio, cheios de energia para enfrentar as muitas horas de viagem dos dias que se haviam de seguir. E, neste dia, soube que tinha de voltar à Islândia novamente.

Posts relacionados

9 comentários

  1. Cat, não me canso destes teus posts. Os relatos e as imagens...não é fácil provocar-me wanderlust, mas estes provocam :)

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito :) Já vi focas, às centenas, em habitat natural no norte da Holanda e foi uma experiência muito boa :)

    ResponderEliminar
  3. Adorava visitar a Islândia e com os teus relatos estou a ficar cada vez mais apaixonada.
    Gostei do facto de teres fotografado sempre em Manual! Numa viagem também decidi fotografar sempre a p/b. Com a "regra" ainda que imposta por nós, não nos condiciona, faz-nos ser mais criativas.
    Obrigada pela partilha *

    ResponderEliminar
  4. Fizeste um excelente trabalho a fotografar em manual =)
    Sabes que estou deserta para visitar a Islândia mas continuo na incógnita: inverno para assistir à aurora boreal ou verão para não sentir o frio?

    ResponderEliminar
  5. Parece ser tão lindo! Adorávamos ir visitar a Islândia e depois de ler estes posts, ainda mais!
    As fotografias estão muito bonitas! Obrigada por partilhares :)

    Beijinhos e bom fim de semana**
    _________________________
    All The way is an adventure
    Jess & Rose Blog | Instagram | Youtube

    ResponderEliminar
  6. Desafio-te a tomar uma banhoca nessas águas :P

    ResponderEliminar
  7. Tenho de me aventurar mais a fotografar em modo manual. As tuas fotografias estão muito bonitas, adorei o resultado. Eu gosto muito mais de climas frios, por isso a Islândia parece-me um excelente destino! E toda essa natureza... Que incrível!

    Mundo Indefinido

    ResponderEliminar
  8. Que fotografias tão bonitas!!! Eu também gosto muito mais de climas frios (porque o calor não é nada a minha praia). E as focas... eu também ia ficar como tu (embora não seja bióloga lolol) mas porque adooooro ver animais. Este verão quero ir ao Badoka Park :D

    ResponderEliminar