O Templo de Fushimi Inari

fushimi-inari-quioto-japao-daydreams-blog

Aposto que já pensavam que eu tinha ficado perdida no Japão sem acesso à internet e que me tinha esquecido deste pequeno recanto blogosférico, mas não! Estive a fazer o ‘luto’ por ter de regressar do Japão, a organizar a minha partida e a resumir seis meses da minha vida a duas malas de viagem. E, depois de chegar, estive a fazer um resume à minha vida pré-Japão, a lidar com o jet lag e a resolver n coisas que uma moça casadoira tem de resolver quando o casamento está já aí ao virar da esquina.

Mas pronto, regressada e (quase) adaptada que estou à minha vida normal, hoje trago-vos um novo post. Yuppiiiiiiii! E que melhor maneira de regressar ao Japão que com um dos seus templos mais icónicos? Pois é, hoje trago-vos o Fushimi Inari. Muitos de vocês podem não o conhecer por este nome. Na verdade, nem eu o conhecia pelo seu ‘nome próprio’. Mas quando virem as imagens que estou prestes a partilhar convosco vão saber exactamente de que templo vos estou a falar! Mas, se ainda não o conheciam, e esta é a vossa apresentação oficial, preparem-se porque vão ficar abismados com tamanha beleza.

O Templo de Fushimi Inari não fica propriamente no centro de Quioto, mas é muito fácil de lá chegar. A rede de comboios é eficiente e bastante prática para conseguirmos movimentar-nos pelo Japão, por isso, numa manhã acinzentada e fria – muito fria – lá fomos nós apanhar a JR Line para a zona sul da cidade.

Chegados à estação de Inari, a caminhada até ao templo é curta mas não dá o mais pequeno indício do que estamos prestes a testemunhar.

Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão
Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão
Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão

Antes de entrar no templo é necessário fazer todo um ritual de limpeza, que consiste em lavar ambas as mãos separadamente, a boca e, no final, ambas as mãos ao mesmo tempo, sempre com a ajuda de um utensílio – de bambu, penso eu – que parece uma colher de pau com uma taça no final.

Depois disso estamos preparados para entrar no templo que está construído ao longo do monte sagrado de seu nome Inari. Por isso, levem calçado confortável e preparem-se para subir.

Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão
Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão
Templo de Fushimi Inari em Quioto no Japão

É possível encontrar diversas estátuas de raposas ao longo de todo o templo porque estas são consideradas os mensageiros de Inari, o deus xintoísta do arroz. Além disso, este templo é famoso pelas suas centenas de torii – portas tradicionais japonesas – avermelhadas e que criam um efeito magnífico e especialmente bonito e pacífico quando temos a sorte de as conseguir fotografar sem ninguém.

Templo de Fushimi Inari em Quioto no JapãoTemplo de Fushimi Inari em Quioto no Japão

Estas torii foram doadas quer por particulares quer por empresas, e é precisamente o nome do doador e a data da doação que se encontram inscritos na parte traseira de cada uma delas.

Ao longo da subida através do Monte Inari vamos passando por grandes corredores de torii, umas maiores que outras, e que nos levam até zonas bem altas, embora a sua frequência comece a diminuir quanto maior é a nossa altura. A partir de mais ou menos meio do percurso é possível encontrar uma vista desafogada sobre a cidade de Quioto. No entanto, o passeio completo, até ao topo da montanha, tem a duração de 2-3 horas, o que infelizmente era mais do que o tempo que podíamos despender neste passeio se queríamos aproveitar bem os dias e visitar o máximo de Quioto. Desconfio, no entanto, que deve valer bem a pena e, talvez numa próxima vez possa dedicar-lhe o tempo merecido 🙂

E do vosso lado, valeu a pena a espera por este post? Espero que sim, e que a cada um que publico tenham cada vez mais vontade de visitar o Japão, esse país que tanto adoro!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  1. Ok, é completamente oficial, tenho de ir ao Japão. Como já escrevi em comentários a anteriores posts teus, não estava nada nos meus planos a curto/médio prazo, mas agora está. Quão turístico é Quioto? Fico sempre com a ideia de que estes sítios que visitaste estão quase vazios, pelo que me questiono se só Tóquio é confusa e super turística ou se és tu que consegues sempre não apanhar as pessoas nas fotos :p

    Aonde (não) estou

  2. As fotografias estão tão bonitas e aposto que fazem jus à beleza real do local! Depois desta publicação, fiquei com uma enorme vontade de me sentar e fazer uma maratona de animações japonesas!
    E muitos parabéns pelo noivado! Espero que o dia do casamento corra muuuito bem, que sejas feliz ao lado da pessoa que escolheste e que a vida vos sorria sempre!
    Beijinhos!

    A Vida de Lyne

  3. Oh, tantas saudades que tinha tuas! Mas percebo que o tempo não dê para tudo, não é? Ainda por cima com um casamento à porta 🙂 Tão bom ler sobre o Japão. É que apetece mesmo estar lá!

  4. Ohh espero que façam mesmo! Não é fácil captar a serenidade deste local em fotografias… Muito obrigada pelos teus desejos! Foi realmente um dia muito feliz e espero que um bom indicador de como será a nossa vida futura 🙂 *

  5. Ahahaha já tivemos esta conversa pessoalmente, mas TENS MESMO! Vais adorar! O Japão deixa-me mesmo muitas saudades e quero muito lá voltar em breve! 🙂 Quioto tem alguns turistas, mas não demasiados…consegues perfeitmente sentir-te em pleno Japão e não noutro sítio do mundo qualquer :p É verdade que nalgumas fotos espero que as pessoas saiam da frente, mas se os locais estivessem completamente à pinha isso não seria possível de todo, certo? :p *

  6. Que bom que pelo menos não diminuí a tua vontade de visitar o Japão! Sabes, acho que quando adoramos tanto aquilo que estamos a fotografar, torna-se quase impossível não sair tudo bem, não achas? *

  7. Ahahaha Japão ou país algum me roubariam ao nosso Portugal! Adorei a experiência lá, mas só eu sei como foi maravilhoso o momento em que aterrei finalmente em Portugal e ouvi falar só português <3 *

  8. É mesmo um país maravilhoso! Vou lá voltar de certeza absoluta (e mais que uma vez, espero!). E acho que é daqueles países que toda a gente deve visitar pelo menos uma vez na vida 🙂 *