Se gostares de mim eu vou gostar de ti, combinado?


Basicamente, quando uma pessoa cria um blog cria-o para si mas também, em grande parte, para os outros. Toda a gente quer um blog que tenha dezenas ou centenas de visitas por dia, que tenha uma legião de fiéis seguidores no facebook, ou outras redes sociais, e que, a cada post, gere pelo menos uma mão cheia de comentários. Porque essa é a nossa forma de reconhecimento. É dessa forma que vemos o fruto do nosso trabalho, de todas as horas passadas à frente do computador a fazer pesquisa, a escrever ou a editar imagens. É dessa forma que percebemos o impacto que temos na vida dos outros. Naquelas horas que os nossos leitores passam a ler o nosso blog, a identificarem-se e a inspirarem-se. A darem gargalhadas com aquela situação caricata que nos aconteceu, ou a pensarem que no próximo fim-de-semana vão fazer aquela receita ou aquele pequeno projecto que acharam tão giro, ou vão visitar aquele lugar que sugerimos.

Acreditem quando vos digo que é isso que me motiva. Apenas um comentário é suficiente para ficar cheia de vontade de fazer mais e melhor durante um período de tempo bastante razoável (sim, vocês têm essa capacidade!). E, se há dias em que a vontade de escrever é quase nenhuma, é esta espécie de lealdade que sinto em relação aos meus leitores que me faz voltar. Porque sei (presunção e água benta...) que vocês gostam de me ler assiduamente, e também eu gosto, regularmente, de saber que vocês andam por esse lado.

Sendo assim, acredito muito numa base de crescimento orgânica. No passa a palavra. Na pesquisa do Google que trouxe alguém até aqui e nesse alguém que achou que valia a pena ficar. E, após esta breve introdução, que achei que seria importante, vou agora debruçar-me no assunto que me trouxe aqui hoje.

Já não é a primeira vez que alguém chega à página do facebook do Daydreams e quer fazer uma troca de divulgação. Ou seja, 'eu gosto de ti, se tu gostares de mim, e partilho lá no meu estaminé, se tu partilhares no teu' e é importante referir que na maior parte são blogs que não conheço.

No início, sem perceber muito bem como é que estas coisas funcionavam e se era muito 'má onda' não aceitar, lá aceitei e divulguei alguns desses blogs. Mas rapidamente achei que isso não estava certo. Primeiro, na página de facebook deste blog eu divulgo apenas os blogs que acho que merecem a pena ser lidos por quem me segue. Acho quase publicidade enganosa partilhar um blog que eu própria não leio porque não me interessa particularmente, quer pelos tópicos abordados quer pela forma como é escrito. Além disso, não acho que esta 'troca de favores' me dê uma audiência participativa ou efectivamente interessada nos conteúdos que publico. Acho que fico ali com uma quantidade enorme de likes que não 'convertem' em visitas ou em interactividade. E o que mais me importa são as relações que consigo estabelecer através deste blog, pessoalmente ou 'apenas' através deste mundo fascinante que é a blogosfera (que já são algumas, fellizmente!).

Eu sei que provavelmente assim vou demorar 10x mais tempo a 'crescer' e a tornar-me um blog quantitativamente respeitável e a quem são dadas imensas oportunidades interessantes. Mas sinto que assim estou a ser muito mais fiel a mim própria e a quem me lê. Claro que isto não significa que não partilhe blogs, projectos ou lojas no facebook do Daydreams, só vos garanto é que, tudo o que partilhar será porque realmente gosto, e por isso terá o meu 'carimbo de qualidade' (que vale o que vale, claro está).


Posts relacionados

32 comentários

  1. Concordo plenamente :) Também prefiro manter a 'integridade blogosférica'.

    ResponderEliminar
  2. Concordo! Hoje em dia já à blogues que fazem publicidade; mas também é bom saber que alguns só o fazem se realmente acreditarem no produto. E passa-se o mesmo com a divulgação de outros blogues. ;-)

    ResponderEliminar
  3. Eu não faço trocas de divulgação nem aceito todas as parcerias e acho que é assim mesmo que deve ser. O meu blogue tem crescido rapidamente (pelo menos na minha opinião) mas não foi graças a essas coisas. Não foi graças a "comento porque tu comentas o meu blog" ou "sigo se seguires de volta" e isso só me dá motivo de orgulho :)

    ResponderEliminar
  4. Cada vez menos existem os comentários verdadeiros, de pessoas que realmente lêem aquilo que escrevemos e que querem saber. Isso é o mais infeliz, é sinal que as pessoas não se importam com este meio. Mas, felizmente, aqueles que sabem separar o trigo do joio são os que tento ter sempre por perto e prefiro demorar a crescer, do que me manter na ignorância.

    Obrigada pelo texto, Catarina. E um beijinho*

    ResponderEliminar
  5. Tens toda a razão naquilo que dizes! Por vezes um só comentário faz-nos ganhar o dia e incentiva-nos a escrever cada vez mais.
    Enquanto à publicidade na página do blog vou ser muito sincera, antes de publicar alguma coisa eu vejo se gosto, se gostar coloco se não... não coloco! Apesar que que acho que só pediram uma vez para trocar a divulgação, mas tal como tu dizes: " ser fiel a mim própria" não vou partilhar só porque sim e porque quero mais likes, aliás, não obrigo ninguém a meter like. Costumo dizer que posso ter pouco mas é com o "pouco" que sou feliz e não sou como muitas páginas que quase que imploram gostos no facebook.
    Vamos conquistando os likes por aquilo que somos e não por andar a pedir. E tal como tu, não me importo de demorar 10x a crescer, como se costuma dizer: " Grão a grão, enche a galinha o papo".

    Acho que deves continuar a ser fiel a ti própria, é por isso que tens um "gosto" meu na tua página, é por isso que visito sempre o teu blog... porque és fiel a ti e acabas por ser fiel a quem te segue.

    Beijinhos e... continua com este blog maravilhoso que é isso que importa (um like ou menos um like... o meu like estará sempre lá ehehe)

    (Um testamento... eu sei, desculpa ehehe)

    ResponderEliminar
  6. Já sigo a blogosfera à pelo menos 15 anos, criei o meu blogue à pelo menos 9 e nos dias de hoje não leio tão regularmente como gostaria, mas sempre que tenho tempo gosto de ler os espaços que me inspiram, tal como o teu Kika :)

    Eu criei o meu espaço para que as pessoas que o leiam sintam-se de alguma maneira reflectidas naquilo que escrevo, sem ligar aos demais nº de visitas ou ao ranking em que se encontra o blogue face à blogosfera, gosto de coisas simples que me façam ser mais criativo no dia-a-dia :)

    ResponderEliminar
  7. Fiz tudo isso no meu 1º blogue.. neste nem tanto.
    Publicito o que quero, quem quero. Não criei mais Redes Socias.
    Gosto dos meus leitores, de quem me comenta.

    Gosto de os ver ser verdadeiros, crescer, cuidar-se, apostar ou retrairem-se.
    Gosto de quem me passa sentimento pelas palavras.

    Famosa ou não tanto, graaaande (que já és) ou menos "aparecida", gosto de ti!

    Beijinho,

    ResponderEliminar
  8. Acho que falaste por quase todos nós aqui na blogosfera. Pelo menos os que estão aqui para durar, o que os fazem por gosto e que têm uma personalidade para durar, manter e mostrar =) Subscrevo inteiramente.

    ResponderEliminar
  9. Totalmente de acordo. E isto vale tanto para produtos, como para blogs.
    Também sou assim, um só comentário dá gás para muito:)

    ResponderEliminar
  10. Eu cheguei a fazer uma partilha dessas, mas também só foi uma vez..uma pessoa mal conhece o blogue em questão e depois não acho nada de bom tom alguém partilhar o meu blogue só porque eu partilhei o da pessoa em questão..isso não é genuíno. *

    ResponderEliminar
  11. Estas a abordar uma tema bastante interessante. Eu apenas publico aquilo que realmente gosto. Faz-me lembrar aqueles blogs que se tornaram demasiado comerciais, com montes de posts afiliados ou patrocinados, muitos deles nem têm nada a ver com o objetivo do blog... Uma pessoa assim deixa de seguir. Mas concordo plenamente quem queira fazer do seu blog, o seu trabalho e há bastantes pessoas que o fazem e muito bem! Temos é de nos manter fieis a nós proprios, sempre.

    ResponderEliminar
  12. Há uma linha que separa quem partilha o que gosta e quem partilha o da vizinha só porque sim. Acho que a diferença está na transparência da caneta com que escrevem, que fazem com que os visitantes se tornem seguidores. O passa palavra é o que traz a interatividade que falavas. E no final do dia é o que conta não é?

    ResponderEliminar
  13. Sabes, acho que há cada vez menos pessoas que realmente comentam porque gostam ou se identificaram...irrita-me todo aquele, se seguires também sigo, ou o fantástico elogio que depois nao passa de uma espécie de areia para os olhos...fica bem ;)

    ResponderEliminar
  14. Exacto Margarida :) não tenho nada contra a publicidade nem contra a divulgação de outros cujo trabalho achamos que está bem feito. Sou contra a publicidade enganosa, de pessoas que só partilham para ganharem mais seguidores ou, nalguns casos, dinheiro. :)

    ResponderEliminar
  15. De nada Raquel :) é mesmo verdade que hoje em dia as pessoas perdem cada vez menos tempo a comentar. E não tem necessariamente de ser porque não querem saber. Mantive-me largos meses na penumbra blogosférica por achar que não ia acrescentar nada de novo e que as minhas palavras não iam mudar nada. Até perceber que as palavras dos outros tinham um forte efeito (positivo!) em mim :) *

    ResponderEliminar
  16. Ohh obrigada Sara :) fico muito feliz com as tuas palavras e com o teu carinho! Acho que o mais importante é mesmo sabermos que estamos a ser iguais a nós próprios e que quando partilhamos um blog com os nossos seguidores, acreditamos estar a mostrar-lhes algo de que também irão gostar :) *

    ResponderEliminar
  17. Obrigada João! É, este mundo dos blogs tem muito de inspirador e eu tento ser um desses também, com maior ou menor número de visitas :) *

    ResponderEliminar
  18. É isso Tânia, és cá das minhas :) *

    ResponderEliminar
  19. Nem mais :) crescermos porque nos descobriram assim do nada, ou por recomendação (daquelas genuínas) de outros é do melhor que há! Fico muito feliz que contigo estejam a acontecer muitas coisas boas sem precisares de 'te vender' :p *

    ResponderEliminar
  20. Ohh minha querida m-M, que bom ler as tuas palavras! Eu cá não dispenso o meu FB (mas gosto tanto dele :p), mas mesmo que ele não me torne 'famosa' terei sempre as tuas palavras (e de outros) para ler e me fazerem feliz :) *

    ResponderEliminar
  21. Obrigada Carolina :) espero que seja isso mesmo e que esteja para durar! *

    ResponderEliminar
  22. É mesmo :) que quem nos leia goste de nós, pelo menos um bocadinho :p

    ResponderEliminar
  23. Eu também o fiz, mas rapidamente percebi que não o queria para mim. E atenção não tenho NADA contra quem o faz, até porque não posso afirmar que alguém o faça sem gostar do blog ou produto em questão. Só que, se alguém até gosta do meu blog, me pede para partilhar o seu, e eu até nem acho que tenha nada a ver com os meus leitores nem comigo, eu não o vou fazer só porque sim. Enfim, este tema dava pano para mangas :p *

    ResponderEliminar
  24. Lá está Marta, não tenho absolutamente nada contra quem faz do seu blog o seu modo de sustento, desde que seja uma coisa coerente, equilibrada e genuína :) só assim terá asas para ir mais longe :) *

    ResponderEliminar
  25. É mesmo :) sabes que acho que há pessoas que não vêm mal nisso. Que acham simplesmente que estão a ajudar outros a crescer, como também já alguém fez consigo. Eu é que não consigo ser assim. Se não gosto muito do blog não o partilho, porque estou a dizer bem de uma coisa que eu própria não aprecio, e assim a 'enganar' os meus leitores. E, se quero que me sigam, tenho de ter uma relação transparente com essas pessoas, certo? :) *

    ResponderEliminar
  26. Andreia, a mim não me irrita, simplesmente não me identifico :) quanto aos elogios, já recebi muitos que me derreteram o coração. Se são genuínos ou não, isso só quem os escreveu saberá. Eu cá espero sempre que sejam! *

    ResponderEliminar
  27. Se o blog for bom vai valer por si só, sem publicidades. E o teu tem todo esse potencial :)

    ResponderEliminar
  28. Como gostei deste post - ter um blog acaba também por ser isto. Fazer algo crescer, algo em que acreditamos e que é nosso e de que os outros gostam. Eles voltam, nós ficamos inchadas de orgulho porque voltam e divulgam. É mesmo isto.
    Também eu acredito no crescimento orgânico - o meu blog não tem página no Facebook, e muito menos agora que o Facebook só mostra o que lhe interessa. De que me serve ter 3000 likes se ninguém me visita, se não querem saber o que se passa? Também já recebi montes de pedidos desses - na página da Tia Anica recebo e digo sempre para me mandarem os links. Se achar que vale a pena divulgo com um comentário meu que acaba por ser mais simpático do que um link puro e duro - e também os aceitei, no inicio. Agora não quero saber. Vão lá à vossa vidinha. Também já estive do outro lado, do lado do "arranja-me um produto teu, que eu faço um post sobre o assunto". Naaaa..... Eu faço posts sobre o que gosto, ninguém me paga para isso e 98% das vezes nem foram a pedido. E quando são a pedido tem de ser de algo que me interesse.
    Acredito no crescimento "genuino" da coisa. No trabalho que temos que faz com que os leitores voltem. Que falem de nós. É tão bom, não é?

    ResponderEliminar
  29. Não sou contra publicidades, nem de produtos nem de outros blogues e, desde que seja devidamente referenciado, não me incomoda vê-las noutros blogs. Só não gosto de 'publicidade enganosa' e, por isso, seria incapaz de a fazer com o nome do meu blog :) obrigada! Fico muito feliz que tenhas essa opinião :) *

    ResponderEliminar
  30. É mesmo maravilhoso Ana, o saber que as pessoas nos encontraram gostaram e voltaram. E tornaram a voltar. E disseram aos amigos que aquele blog era 'tão giro!'. É esse o meu maior retorno. As melhores oportunidades passam por conhecer pessoas que este blog já me 'deu' e felizmente já não são assim tão poucas. Quanto ao resto, dedicação e carinho e honestidade perante quem nos escolheu para nos ler todos os dias. *

    ResponderEliminar
  31. O essencial é cada um ser fiel a si próprio. Eu não aceito divulgar produtos porque sei que as marcas querem que eu diga bem deles, mas e se eu não gostar deles? parece mal ter experimentado e a seguir dizer mal... por isso não aceito à partida. Compro o que quero, cozinho com os ingredientes de que gosto (pois, tenho um dos de culinária), mais caros ou mais baratos mas é a minha opinião nua e crua e sem dever nada a ninguém que ali está. E não gosto mais de outro blogue por ele gostar de mim ou menos por não me comentar, gosto do que gosto e ninguém fica a dever favores a ninguém :)
    Mas gostei do que escreveste, na mouche!

    ResponderEliminar
  32. Olha, eu presumo que as marcas, à partida, queiram que se escreva bem sobre elas. Mas a verdade é que, aceitando parcerias (o que não acho que seja uma coisa má, atenção!), tem de se ser o mais sincero possível em relação ao produto. Se formos capazes de dar a nossa opinião sincera sem estarmos a 'enganar' os nossos leitores, conseguimos o nosso propósito :) mas se preferes não fazer parceria com marcas estás no teu direito, e assim pelo menos não sentes que a tua opinião possa estar enviesada por causa da tua ligação à marca :) *

    ResponderEliminar