Passeando por Paris #1



Parece que este ano toda a blogosfera achou que o destino de férias ideal ia ser Paris. A verdade é que isso não é de estranhar - qualquer pessoa que seja apaixonada por história, arte e beleza, no geral, vai AMAR Paris.

Talvez por saber que alguns de vocês já viram partilhadas fotografias de Paris por vários blogs, vou tentar ser diferente. Vou tentar resistir à tentação de partilhar convosco as típicas fotografias dos pontos mais turísticos da cidade, com um parêntesis feito à Torre Eiffel, o meu amor de ferro ao qual não consigo resistir. Porque, a bem dizer, todos os pontos desta cidade são pontos a visitar (literalmente!) e eu quero poder mostrar-vos isso recorrendo a pormenores magníficos que captei e que tornam esta cidade única e tão apetecível.

Começemos então pela nossa maravilhosa Torre Eiffel. São mais de trezentos metros, e várias toneladas, de uma beleza indescritível. Vi-a mal saímos da estação do comboio que apanhámos até ao hotel, que ficava a menos de 10 minutos a pé da dita - uma das razões pelo qual foi o eleito (a primeira foi o preço - Paris é caríssimo!). Vou ser-vos sincera, andava há tanto tempo a sonhar com o dia em que tivesse a oportunidade de ver em pessoa este monumento maravilhoso, que não consegui evitar sentir alguma comoção. Sou uma piegas, bem o sei, mas pelo menos a minha pieguice dá para divertir o mais-que-tudo, por isso já serve para alguma coisa.

Em frente à Torre Eiffel fica o Museu da Marinha. É um edifício lindo que serve de 'varandim' para uma das melhores vistas da Torre. Era lá que se juntavam as pessoas para 'só mais uma fotografia' (tipo eu!) e que se tinha uma vista privilegiada quando acontecia o espectáculo de luzes (que acontece de hora a hora desde o pôr-do-sol, e que dura uns 10-15 minutos).


Chegar ao hotel foi uma peripécia que merece ser contada. Senhor D. mais-que-tudo achou que se 'orientava perfeitamente' (nas palavras dele) sem um mapa. Conclusão: 20 minutos às voltas e tive de ser eu a dar com o sítio. Homens!

Já de mapa na mão e cheios de energia para explorar a cidade, começámos a seguir pelas ruas, mais ou menos aleatoriamente, porque queríamos mesmo ter uma perspectiva geral da cidade e não só dos pontos mais turísticos. Passámos por um parque já ao fundo dos Campos Elísios, onde descobrimos este mural e esta coluna romana que ficavam tão bem ali no meio daquele verde luxuriante.


Este é apenas um dos pormenores lindíssimos que se podem encontrar na ponte Alexandre III, aquela que dizem ser a mais bela das pontes que atravessa o Sena. E quem o disse não mentiu! A ponte é de uma riqueza inigualável, ladeada por duas estátuas banhadas a ouro de cada um dos lados, e cheia de candeeiros trabalhados de forma exemplar e nos quais nenhum pormenor foi deixado ao acaso.


Do outro lado desta ponte fica o não menos surpreendente Museu das Forças Armadas. Paris tem, a cada meia dúzia de metros, um qualquer edifício, jardim, avenida ou beco que vos vai deixar de boca aberta. Não é exagero! Já me tinha indagado, ao ver a cúpula ao longe, que edifício seria aquele. Contava que fosse alguma igreja, pela riqueza desmedida, mas eram os Les Invalides, como é chamado. É aqui que podemos encontrar o túmulo de Napoleão (que infelizmente não conseguimos ver porque já passava das 18h quando lá chegámos). O edifício, mesmo ignorando a cúpula, é de uma perfeição indescritível.


Ao aproximarmo-nos mais, percebemos que aquelas janelas no telhado, ao género de águas-furtadas, são armaduras de guerra dos tempos antigos. O detalhe é surpreendente! Eu sou uma fã de arte assumida por isso babei com cada golpe do cinzel, com o pormenor do capacete, e com a beleza daquele telhado! Sim, em Paris até os telhados são bonitos e dignos de uns quantos clicks!




Mais tarde, antes de irmos ter com uma amiga aos Campos Elísios, passávamos numa rua e deparamo-nos com este beco que nos deixou, mais uma vez, a suspirar. Uma fachada, que poderia ser sem graça, de um prédio transformada numa obra-prima de ferro e efeitos de profundidade.


Outra coisa curiosa em Paris é a altura das janelas do rés-do-chão. São à altura dos nossos olhos e, como não é hábito usarem cortinas, consegue-se ver tudo lá para dentro. É estranho, mas permitiu-nos dar de caras com este amiguinho felpudo. Um sensualão, todo contente a fazer pose para a foto.


E as flores? Chegada a primavera, para todo o lado para onde olhamos, as janelas estão carregadas de flores, os jardins estão arranjados e floridos, os mercados de flores estão sempre a acontecer. É verdade que eles têm um clima mais húmido e, por isso, mais propício a mantê-las vivas e viçosas, mas não deixa de ser um regalo para os olhos.


Foi nos jardins de Tuileries que aproveitámos para descansar os pézinhos, já um pouco agastados por tantos quilómetros percorridos, e que descobrimos as melhores cadeiras do mundo! São quase umas espreguiçadeiras (mas sem apoio para os pés), e ladeiam este lago artificial de onde podemos ver, bem ao longe, o Museu do Louvre (que vai ficar para outro dia - já aguçei a vossa curiosidade?). À saída do parque encontra-se a Place de la Concorde, onde se encontra o Obelisco de Luxor, com mais de 3000 anos e 23 metros de altura. O tempo, como podem ver estava negro. Ia chovendo de tempos a tempos, felizmente bem espaçados. Por vezes uma chuva tímida, desta vez uma chuvada daquelas mesmo fortes que acabou tão rápido como começou, menos de 20 minutos depois. Aí abriu-se um céu radioso e pudémos passear descontraidamente durante mais umas horas.


Já no final do dia tivemos a oportunidade de ver quer o Arco do Triunfo quer a Torre Eiffel, iluminados. São dois dos monumentos mais marcantes desta cidade e que, apesar de vos ter dito que ia tentar evitar um pouco às fotografias óbvias, estas são daquelas às quais não há como fugir. Ou seja, não cumpri lá muito bem com o prometido, pois não?


O frio justifica o vermelho do meu nariz e o cachecol ao pescoço. Não consegui, mais uma vez, não tirar uma fotografia que tivesse como pano de fundo a Torre Eiffel. Achei-a mais bonita simplesmente iluminada do que quando acontecia o espectáculo de luzes - que foi um bocadinho uma desilusão, porque não passava de várias luzes azuladas a piscar durante os tais 10-15 minutos, sempre na mesma dança. Ainda assim roubou uns quantos 'ohs' e 'ahs' à assistência, principalmente aos espectadores mais novos. E, pronto, a Torre é a Torre e qualquer trapinho lhe fica bem, não acham?


Posts relacionados

17 comentários

  1. Minha querida, que detalhes maravilhosos. A câmara é mesmo boa no que diz respeito à fotografia de noite. Aquela fotografia do Arco do Triunfo está lindíssima.

    Embora ache que 2014 seja o ano de Londres (o que me deixa um pouco triste, porque tenho já viagem planeada desde o ano passado, para ir em Setembro 2014 e agora vejo que meio mundo está a viajar para Londres), Paris é sempre Paris. Estive lá há um par de anos e fiquei maravilhada. Com tudo. Voltava lá já amanhã. Para bem dizer, voava para lá agora mesmo!

    Um beijinho, Sara ♥
    Little Tiny Pieces of Me (http://littletinypiecesofme.blogspot.pt/)

    ResponderEliminar
  2. adorei as fotos e os detalhes,:) eu fui lá quando tinha apenas 6 anos, mas espero lá voltar para reavivar as memórias.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Eu também voltava já amanhã! :) Fui o ano passado e continuo a achar uma cidade maravilhosa, que as tuas fotografias só me deixaram a suspirar. Obrigada!

    ResponderEliminar
  4. Adoro Paris, mas prefiro a França num todo.

    ResponderEliminar
  5. Ahahah por acaso achei mesmo que este era o ano em que ia tudo a Paris :p mas ainda assim, mesmo depois de já ter visto um milhão de fotos, Paris ao vivo é qualquer coisa que vale a pena visitar :) *

    ResponderEliminar
  6. Obrigada! :) e fazes muito bem em voltar agora. Ao crescer reparamos noutros detalhes, e descobrimos novas maneiras de gostar ainda mais (ou às vezes menos) de um local :) neste caso, estou convencida que será gostar ainda mais! *

    ResponderEliminar
  7. Ohh ainda bem Raquel :) eu ainda agora voltei e regressava já já :p *

    ResponderEliminar
  8. De França só conheço mesmo Paris e Nice. Adorei ambos! Dizem que a Normandia é fantástica e adorava fazer um tour pelo Vale do Loire (um dos meus destinos de sonho) *

    ResponderEliminar
  9. Ahh e já agora João, tens sugestões de sítios que valem muito muito a pena visitar? :)

    ResponderEliminar
  10. Adorei a forma como descreveste a tua viagem (vou brincar contigo) e apesar de não comprires a tua promesa, tiraste fotografias autenticas e muitas delas bem diferente do que já vi pelos outros blogs. Não que as fotografias dos outros blogs fossem más. Não è nada disso. Tu conseguiste ir além, ou sejá, não ficaste pelo "obvio" e eu adorei isso. Até as peripécias aqui detalhadas (como a historia da desorientação do teu mais-que-tudo ahahah) não deixaste de partilhar connosco o que me divertiu bastante :)

    Aquela tela que encontraste num jardim, ficou-me deibaixo de olho. :)


    Andreia
    http://pontofinalparagrafos.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Ohh obrigada Andreia :) fiquei muito feliz com as tuas palavras! Vais adorar Paris quando tiveres a oportunidade de lá ir. E depois vou querer ver a cidade pelo teu prisma também :) *

    ResponderEliminar
  12. As fotos estão faaantásticas (assim como o texto, claro)!
    Paris é, indubitavelmente, uma cidade a visitar (a-do-ra-va) e, depois de ter lido este post, está no topo da minha lista ;)

    http://inesisout.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  13. Acho que vais adorar! Eu andava há anos a querer lá ir e quando o mais-que-tudo me ofereceu a viagem quase chorei :) e não defraudou, de forma alguma, as expectaticas - que, acredita, eram bem elevadas! *

    ResponderEliminar