Pelos caminhos da Lousã



Foi já em 2010 e a companhia era a melhor de todas. Resolvemos, como tanto gostamos, ir uns dias para fora cá dentro. O destino escolhido dessa vez foi a Lousã, vila de grande beleza, rodeada de natureza e montes verdejantes, e onde até as piscinas são naturais. Ideal para ficar no sossego, mas perto o suficiente de Coimbra para se quisermos um dia de maior agitação.

Fartámo-nos de andar. Chegar às piscinas naturais implicava uma boa caminhada, que mesmo nos meses mais quentes sabe bem porque o caminho é todo feito na sombra das árvores. E ao chegar a água é convidativa e fresca, ideal para ajudar o corpo a repor a temperatura e ajudar os músculos a relaxar. Passeámos pela 'rota dos azulejos' visitámos o museu da vila, vimos as aldeias de xisto lá bem ao longe, no cimo da serra. Passámos dias de verdadeiro descanso, recarregámos baterias e conhecemos uma das mais belas vilas de Portugal. O que se poderia pedir mais?


E se da base da serra avistámos as aldeias de xisto, não conseguímos resistir a visitá-las. A nossa escolha foi o Talasnal (era a mais próxima e nem assim estava propriamente perto). Seguimos pelos trilhos de caminhada bem marcados, passámos mesmo à beirinha de algumas ribanceiras, tivémos encontros imediatos com todo o tipo de insectos (coisa que é bem capaz de me fazer desmotivar) mas, ao chegar, senti que tudo valeu a pena. Parece que estamos no paraíso. Perfeito e deserto. Quase não se vêem pessoas na rua, apesar de nos terem dito que há quem venha passar férias aqui. Está tudo muito bem arranjado, cheio de plantas que contrastam com o acastanhado das casas. Gostei mesmo muito!



Infelizmente não tenho muitas mais fotografias que se aproveitem porque não só a máquina era bem mais fraquinha, como a própria fotógrafa o era. Ainda assim espero que dê para perceber que a Lousã é, definitivamente, um local a visitar. E vocês, já conhecem esta vila deliciosa? O que acharam? Eu fiquei fã, e tenho a certeza que vou lá voltar e, desta vez, explorar todas as aldeias de xisto das redondezas.


Posts relacionados

12 comentários

  1. Parece-me um belíssimo sítio, óptimo para desligar de tudo e recarregar baterias *

    ResponderEliminar
  2. Adoro que sejas cá das "minhas": muito "vou para fora, cá dentro" :)

    Beijinho,

    ResponderEliminar
  3. Que sítio lindo! Tenho de o meter na lista de sítios a visitar! :)
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Heee adoro lousa, alias adoro qualquer terriola com identidade propria. Mas lousa e tambem a envolvencia da serra e as pessoas lindas e humildes que la habituam. La isso e verdade, o que e nacional e bom!

    ResponderEliminar
  5. É mesmo Ju :) vale a pena se o objectivo for sair da confusão da cidade e espairecer *

    ResponderEliminar
  6. Às vezes tenho pena de não fazer mais isto, mas mesmo assim já não me posso queixar. Até porque uma pessoa tem de coordenar aquelas viagens para fora que quer muito fazer com uns fins-de-semana de escapadinhas cá dentro :) *

    ResponderEliminar
  7. Siiiiim! Vais adorar! Muito tranquilo, autêntica pasmaceira, mas do melhor que há para recuperar de dias mais agitados :) *

    ResponderEliminar
  8. É isso mesmo Marta! E eu adoro descobrir estes verdadeiros tesourinhos que por cá se encontram :) *

    ResponderEliminar
  9. Sou mais uma grande fan do "Ir para fora cá dentro"!! :)

    ResponderEliminar
  10. Temos coisas tão bonitas dentro do nosso país! É verdade que há sempre países novos que queremos visitar, mas as alternativas neste pequeno país à beira-mar plantado são mais que muitas e por vezes valem ainda mais a pena o investimento :) *

    ResponderEliminar
  11. Já me "perdi" duas vezes na Serra da Lousã, as paisagens são de tirar o fôlego! Mas nunca encontrei aquele castelo da 1ª foto... :S
    Fica exactamente onde?

    ResponderEliminar
  12. Olá Nídia! É verdade, a Lousã é um local magnífico para nos perdermos :) o castelo fica a caminho das piscinas naturais, mas não sei explicar muito bem onde. Sei que se vê da estrada que se apanha para lá chegar :) *

    ResponderEliminar