6 coisas que a blogosfera não sabe sobre mim

Hoje decidi que ia dar a conhecer aos meus leitores, aqueles que só me conhecem das lides aqui do blog, alguns factos que, presumo, desconhecem sobre mim. Sim, vai ter direito a ‘segredos’ bem guardados e a histórias um tanto ou quanto deprimentes (se bem que pronto, uma pessoa tem de aprender a conviver com isso). Então aqui vai!

1. Tenho 28 anos e AINDA não tenho a carta de condução. Sim, sim, eu sei, como é que é possível, e blá blá blá. A verdade é que durante muitos anos não senti verdadeiramente a falta da carta. Agora também não sinto, que tenho chauffer (quando o mais-que-tudo ler isto mata-me!), mas pronto, ou vai ou racha e estou empenhada em ter a carta até meio do ano que vem – antes da licença caducar novamente.

2. Adoro cantar! Sim, do género de durante anos chegar a casa, fechar as portas do quarto, pôr a música em altos berros, e cantar até me obrigarem a parar. Literalmente, quem canta seus males espanta, e ainda hoje, quando ando menos bem disposta, gosto de pôr aquelas músicas que me dizem tanto e de cantar, bem alto!

3. Esta vem a propósito da anterior. Pertenci aos Jovens Cantores de Lisboa, enquanto foram dirigidos pela Ana Faria (mãe de projectos como Queijinhos Frescos, Onda Choc, etc.), e isso levou-me até ao Super Buéréré, com a Ana Malhoa, ainda na versão não actriz porno. Pois é, eu era uma Mini Anete. Fui a piratinha durante uns 6 ou 7 episódios. Depois disso os meus pais acharam que a vida de artista, com dois dias de faltas na escola por semana, não era para mim e lá abandonei o mundo do showbiz.

4. Sou completamente fã de…. Backstreet Boys! Até tenho uma fotografia com os ditos! Pois que nunca cresci… estou para sempre parada naquela fase em que eles eram os maiores para TODAS as raparigas adolescentes. Quando os Biebers e os 1Ds ainda estavam para nascer, quase. Continuo a adorar! A ter todos os CDs. A ouvi-los com alguma regularidade e a tê-los no meu mp3 (sim, é um leitor de mp3 da Creative bem antigo e que funciona às mil maravilhas que, como já vos disse, não sou menina de iCoisas).

5. Toda a minha vida disse que queria ir para investigação! Vá, toda não, mas para aí desde o 5º ano. Trabalhar num laboratório foi, durante uns anos, um sonho tornado realidade. Neste momento, depois de saber com o que posso contar e o que é realmente isto de ser investigador, continuo a gostar, mas todos os problemas inerentes a esta área só me fazem querer fugir disto a sete pés. Desde os financiamentos, à competitividade louca e sem jeito nenhum, sinto cada vez mais que isto não é para mim.

6. Conheci o homem lá de casa na fila do passe urgente do Campo Pequeno. Fila na qual estive enfiada durante 2h30!!! Felizmente em boa companhia que, com o tempo, acabou por se tornar ainda melhor. Por isso, a todos os descrentes, o ‘amor acontece’ nos sítios mais inesperados!
Adorava ler nos comentários coisas que ninguém na blogosfera (ou no mundo cibernáutico) sabe sobre vocês. Estejam à vontade para partilhar!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  1. É verdade, o facto de não ter carta proporcionou-me momentos interessantes :p é, não sinto a falta dela, porque aqui na zona de Lisboa, de transportes estamos em todo o lado num instantinho.

    Ahh Clênia, não sou nada calminha :p ahahaha! Temos de combinar uns encontros quando vieres a Lisboa, ou eu for a terras do norte, para veres o meu lado não tão calminho 😉 *

  2. Ai ai, eu tirei a carta aos 26 amiga e já achei bem tarde mesmo, porque sou uma independente e viver na aldeia não ajuda se vc não tem carta. Acredito que em Lisboa não sintas falta porque podes sempre pegar um autocarro, metro ou assim. Isso aqui é mais complicado, por isso tinha que ter!

    És aparentemente tão calminha, caladinha que nunca imaginei que gostasse de cantar nas alturas, estou admirada e feliz por saber que de perto todo mundo é "normal".

    Os músicos da adolescência ficam para sempre, sou fã dos Bon Jovi e sei que isso nunca vai passar. Por isso entendo perfeitamente o seu amor.

    Fiquei tão feliz de saber como conheceu o amado, é engraçado como essas coisas acontecem. Ainda bem que não tinhas carta aos 18, se calhar não ias para a fila e perdias de conhecê-lo. Tudo tem um porquê.

    Beijinhos!

    Clênia Daniel.
    cleniadaniel.blogspot.pt

  3. Ahhh afinal há mais quem não tenha a carta logo aos 18, seja por que razão for :p e adorei o trocadilho da Biologia de bota e não de bata 😉 eu continuo a preferir a de bata 🙂

    E acho bem que faças também um post destes, para ficarmos a saber os teus segredos mais obscuros :p

  4. Adorei este post, se calhar vou "copiar" e fazer um sobre mim no meu blog :p
    Eu tenho 26 anos e também não tenho a carta!! Não porque não quero, mas porque ainda não houve dinheiro, mas sobrevivo!

    Eu desde que escrevi a tese que fiquei um bocadinho a odiar investigação… O trabalho de campo é muito giro, mas escrever artigos é uma seca descomunal!! (a minha biologia é de bota e não de bata hehe :p)

  5. Ahahah fui pois! :p pena que não consiga encontrar vídeos disso senão contemplava-vos com essas preciosidades :p Ohhhh <3 eu acho sempre a história meia parva, mas o resto das pessoas adora :p beijinhooooo*

  6. Ainda não tenho a carta, maaaaaaas é ÓBVIO que fui ao concerto de BSB <3 e estou só à espera que vão a Portugal de novo para lá estar batida mais uma vez :p nessa altura combinamos! Beijinhos*